sábado, 26 de novembro de 2016

GÉNESIS





ilustração de Daniela Gomes


GÉNESIS
Almeida Faria, Helder Moura Pereira, Manuel de Freitas, Rui Miguel Ribeiro, Luis Manuel Gaspar, Inês Dias, Rui Pires Cabral, «Génesis», ilustração de Daniela Gomes, in 'Suroeste — Revista de literaturas ibéricas', n.º 4, Badajoz, 2014

ALMEIDA FARIA
PRIMEIRO DIA

Há trevas à tua volta
trevas só
sobre esta terra
desolada e convulsiva
sem sentido nem fim

As trevas pesam
o dia demora a vir
a terra espera há milénios
o 'homo erectus'
o 'homo heidelbergensis'
o 'homo sapiens'
o homem que deixe
na pedra em rolos de papiro
em tabuinhas em pergaminho
sinais e signos nomeando o mundo
os deuses invisíveis
as sombras
de sombras
do primeiro dia

Abismo e Caos copularam
misturando suas águas
na solidão da escuridão

Outras línguas contariam
outro primeiro dia
no Livro Primeiro
dos cinco quintos:

'Génese'
'Êxodo'
'Levítico'
'Números'
'Deuteronómio'

Torrentes de homens e mulheres
dilúvios devoradores
desde Gilgamesh até Noé

Palavras para a vertigem de um dia
sem sentido nem fim
dia desolado e convulsivo
sobre esta terra de trevas só
à tua volta

***

HELDER MOURA PEREIRA

NÃO VOS LEMBREIS DE MIM NEM DA MINHA DOR

Nem sequer é corpo, não é corpo
que tenha nome, é linha, figura,
mera silhueta, está num quadro
onde tudo é só água, figura lavada
em lágrimas, paisagem de mar vasto
ou rio à beira, ponte, passagem.
A figura é um traço projectado
num horizonte onde ainda não há
estrelas, chegou-se à beira do mar
depois de muito ter pensado
no seu futuro e no passado
de todos nós. Vai anoitecendo,
já quase não contrasta a linha
da silhueta com as margens
das formas e das cores, tem a boca
colada, presa, agrafada, não há
palavras, há o silêncio, sim, e água
a toda a volta, os olhos ainda vêem,
mas pouco, já não é preciso falar
e já quase não é preciso olhar.
A mão que há pouco começara
a ensinar a outra mão a escrever
desiste, também já não vale a pena
escrever. A figura é de um homem
entre tantos, chegou à beira da água
lavado em lágrimas como se estivesse
dentro de um drama, mas não era
bem um drama, a não ser que seja
drama sentir a confusão clara. E agora?
O que se segue agora? Um estrondo
de espuma numa rocha, e outro
estrondo, mais um estrondo, ritmo
do princípio de uma construção,
crescendo, força, decisão. E assim,
com a bomba do absurdo numa
das mãos e a bomba da inocência
na outra, põe-se a pensar. Convém
separar as águas. Ir para casa separar
as águas. Estar à altura de tanta
água sem sal em cima, de tanta água
com sal em baixo. Matéria única,
fio de lágrimas (não, os animais
não podem chorar) e só então se vê
a regressar por um carril, pelo fio
de um caminho, uma silhueta
antiga levantando a cabeça quando
sente que lhe chove na cabeça.
É uma silhueta que gosta de sentir
chuva na cabeça. Avança devagar.
Vai para casa. Tanta água e sempre
tanta sede, tanta sede. Vê-se agora
muito bem que tem uns óculos escuros
de funeral. A silhueta murmura
não vos lembreis
não vos lembreis de mim
não vos lembreis de mim
nem da minha dor.

***

MANUEL DE FREITAS

POEM OF THE RIVER

para a Inês Dias

Tinha, desde criança, a fantasia de ir a pé até às margens do Tejo, partindo do Vale de Santarém. Sabia que o rio estava próximo — ou era, pelo menos, alcançável — desde que se seguisse o «Caminho de Fátima», nome que sempre me causou alguma estranheza. Só hoje, com quarenta anos, ousei fazer esse percurso.

*

Vira-se à esquerda, logo a seguir à 'Légua', e são muitos os lamaçais e os campos de papoilas que nos convidam a parar. Mas não quisemos desistir. Já desesperávamos de haver Tejo quando, após um sereno concílio de cavalos, surgiu uma estrada de alcatrão que nos levou às Caneiras. Nem sabia que ficava ali, a «apenas» seis quilómetros, aquela aldeia piscatória.

*

Retemperámos forças na 'Taverna do Ramiro' — não com sável, enguias ou fataça, mas com uma opulenta grelhada mista. Só depois percorremos as vielas estreitas, onde casas de madeira assentam em palafitas, e cães e gatos parecem ter encontrado o paraíso. Trata-se, como seria de esperar, de um paraíso triste: as madeiras coloridas acusam o desgaste do tempo, a pobreza audível destas casas onde ainda mora gente. Porta a porta, um embarcadouro mínimo confirma que o rio continua a ser uma débil fonte de rendimento ou de aventuroso recreio.

*

O mais estranho, porém, foi ter reencontrado nas Caneiras, onde nunca estivera, a «reconstituição» exacta de uma aldeia ribeirinha que surge em muitos dos meus sonhos. E que hoje, ao teu lado, se revelou mais bela do que alguma vez sonhara, na sua altiva imperfeição, na música calada dos barcos — tão pequenos e vazios como um poema que chega, finalmente, ao rio.

***

RUI MIGUEL RIBEIRO

O QUARTO DIA

Se queres saber como era
pensa no escuro no interior de um fruto.
Em sucessão, da sua força reclusa,
conhecem-se duas curvaturas, divididas
por duas rotações nas linhas sem altura
dos seus pés à firmeza das sábias geometrias.

Uma exterior, de brancura cega, o nulo manto,
onde o vidro não se distingue da pedra
na esfera maior que agora inicia.
Uma interior, onde as sombras não têm forma,
e nas trevas que repartem o prodígio, o mundo,
a envelhecer inciso, interroga.

Se queres saber como será
pensa que das formas em que o mesmo fruto muda
uma vez caído, ou por mão colhido,
delas mantém, insuprível, a película de luz
que todas as coisas veste.

***

LUIS MANUEL GASPAR

V

A manhã rebate as asas na ombreira;
janelas de pau, penumbra e parapeito
onde o navio desatado estancou,
um fio de oiro captado pelos mastros

Aderem os dedos ao pêndulo perdido,
ao lençol semicerrado no aquário.
Pela escada move os peixes o senhor
das clarabóias. À névoa, de olhos tristes,

veio dizer-me de véspera que morri.
Ganhando altura, quando os ferros se encontram
a meio do rio, o sexo inflado nas mãos

de anjos inda pouco destros, mal saídos
das locas. E foi a ânfora desfeita,
a tarde e a manhã como um tiro na têmpora

***

INÊS DIAS

ODISSEIA DE BAIRRO

'If we return.
If we return.'

Genesis P. Orridge

Esperou. No verso da página.
Até o casal quebrar o beijo
que quase interrompera a rua do mundo;
até a noite sufocar,
uma a uma, as ilhas de luz,
depois as vozes.

Só então regressou
à cidade sem sombra
(na barriga de madeira crua
do segredo), sublinhando o caminho
com migalhas de tinta maiúscula
sobre as paredes cegas.

Um pequeno e doméstico auto-de-fé
que evitasse à história re-
cair em esquecimento:
«JÁ DISSE PARA
NÃO TE METERES
COM O MEU MARIDO!»

***

RUI PIRES CABRAL

SÉTIMO DIA

Domingo, os lódãos
ficam mais sérios
no retrato

do jardim. Descansam
as criaturas, descansa quem
as criou, algures longe

da vista, longe do coração.
Descansa o cão extraviado
à sombra do contentor

e o ministro das finanças —
sempre, sempre tão
cansado — no seu reduto

murcho. Domingo, linha branca
que atravessa um olival:
'já deste o ramo

ao padrinho?' Vagares
de um mundo pequeno
ao domingo, no palheiro,

em histórias de papel velho
cor de açúcar mascavado —
'eu bem não queria

morrer.' Domingo nos montes
em volta, domingo na ilha
de Kirrin,

domingo em toda a parte,
de nenhures, de Deus
nenhum.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016








Ilustração de George Landmann




Ilustração de George Landmann


obrigada, Armando Monteiro




fotografia de Armando Monteiro

 
obrigada, Armando Monteiro

quarta-feira, 16 de novembro de 2016




fotografia de Vanda Curto


obrigada, Vanda :)


Fotografia de João Alcobia



…, barcos que passam na noite e se nem saúdam nem conhecem.

Fernando Pessoa [Bernardo Soares]

terça-feira, 15 de novembro de 2016


Luís Bivar, Barca de Portimão, 1903



Autor não identificado
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico


João Penha Lopes, [Passeio de barco], [entre 1918 e 1922]
Fotografia estereoscópica (pormenor) do
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico

sexta-feira, 4 de novembro de 2016



de Pedro Pascoinho, 2016

quarta-feira, 21 de setembro de 2016




Helena Nilo, Arrábida, 15.09.2016

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Meendinho - Sedia-m’eu na ermida de Sam Simiom

Achava-me eu na ermida de São Simão
E cercarom-me as ondas, que grandes são:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

Estando na ermida ante o altar,
Cercarom-me as ondas grandes do mar:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

E cercarom-me as ondas, que grandes são,
Não hei barqueiro nem remador:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

E cercarom-me as ondas do alto mar,
Não hei barqueiro, nem sei remar:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

Não hei barqueiro nem remador
Morrerei eu formosa no mar maior:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

Não hei barqueiro, nem sei remar,
Morrerei eu formosa no alto mar:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?



O texto original, escrito há quase 800 anos

Sedia-m’eu  na ermida de Sam Simiom
e cercarom-mi as ondas, que grandes som:
eu atendend’o  meu amigo
eu atendend’o meu amigo. E verrá?

Estando na ermida ant’o altar,

cercarom-mi as ondas grandes do mar:
eu atendend’o meu amigo.
eu atendend’o meu amigo. E verrá?

E cercarom-mi as ondas, que grandes som,

nom heii barqueiro, nem remador:
eu atendend’o meu amigo.
eu atendend’o meu amigo. E verrá?

E cercarom-mi as ondas do alto mar,

nom heii barqueiro, nem sei remar:
eu atendend’o meu amigo.
eu atendend’o meu amigo. E verrá?

Nom heii barqueiro, nem remador,

morrerei eu fremosa no mar maior (mar bravo):
eu atendend’o meu amigo.
eu atendend’o meu amigo. E verrá?

Nom heii barqueiro, nem sei remar,

morrerei eu fremosa no alto mar:
eu atendend’o meu amigo.
eu atendend’o meu amigo. E verrá?
O poema está recolhido no códice da Biblioteca Nacional de Lisboa e no códice da Biblioteca Vaticana, de lírica medieval.

Daqui



Helena Nilo, Praia da Adraga, 11.02.2016

Álvaro Laborinho - Nazaré


Álvaro Laborinho, Mar bravo, onda gigante (Nazaré), 1931
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico




Álvaro Laborinho, Forno d'Orca (lPraia Norte, Nazaré) e Augusto, 1930
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico




Álvaro Laborinho, José Maria Isaac pescando as enguias (foz do Alcôa), 1907
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico




Álvaro Laborinho, Mar chegando ao paredão, frente aos chalets (Nazaré)
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

O Mar na pintura portuguesa



Alfredo Keil, Azenhas do Mar


Alfredo Keil, Caminho para a Praia da Adraga


Alfredo Roque Gameiro, Onda
 

Adriano de Sousa Lopes, Manhã na praia da Caparica


Adriano de Sousa Lopes, Luz nas águas

João Cristino da Silva

Termas de São Pedro do Sul - à beira-rio


fotografia de José Daniel Ferreira (2009)
DAQUI

Água de Lisboa



Revista Universal [Lisbonense], N6, Fevereiro de 1842, pp. 4-6








ARTIGO AQUI

Banhos a Vapor - 1841-1842




Revista Universal [Lisbonense], N3, Outubro de 1841, pp. 2-4


ARTIGO AQUI
e aqui
e aqui

Obrigada,  Daniel

quarta-feira, 31 de agosto de 2016


RUY CINATTI

                                                                                                                 Ao Carlos Alberto


Lentamente, ao bater dos remos, vão os barcos
Rio acima, rio abaixo, na faina diária dos dias de sol e chuva.
Os homens já puxaram os barcos para a margem
Onde os senhores passam fechados, altaneiros,
Por entre homens da plebe — os que transportam sacos de trigo.
Os gestos repetem‑se, milenários,
Enquanto, de manhã à noite, os barcos vão passando
Desapercebidos dos lavradores dos campos.
Lentamente, vagaroso como o correr das águas,
Ergue‑se suplicante o canto dormente dos remadores…
Vai passando, vai quebrando, vai fugindo…

Ruy Cinatti, 'Obra Poética I', Lisboa, Assírio & Alvim, Out. 2016  [a sair brevemente]

Via Luis Manuel Gaspar

domingo, 21 de agosto de 2016

Artur Benarus (1861-1926) - Almourol



Amourol | Artur Benarus (1861-1926) |
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico

Fotografias de Artur Benarus (1861-1926) | Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico



Olhão | fotografia de Artur Benarus (1861-1926) |
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico



Zona Ribeirinha do Porto | fotografia de Artur Benarus (1861-1926) |
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico



Setúbal | fotografia de Artur Benarus (1861-1926) |
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico

Coleção Artur Benarus do Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico


"A colecção Artur Benarus—comerciante lisboeta e fotógrafo amador—distingue-se pelo facto de ser exclusivamente composta por fotografias estereoscópicas, formato Verascope. Este formato (4,5 x 10,7 cm), dos mais pequenos em câmaras estereoscópicas, veio permitir que no final do século XIX a marca Jules Richard associasse a estereoscopia a um formato portátil e de fácil utilização, vantajoso para as deslocações em viagem. Estas vantagens estão inteiramente reflectidas na colecção Benarus no que respeita à diversidade geográfica das suas fotografias, maioritariamente produzidas durante as viagens por Portugal e a países estrangeiros, tais como Espanha, Inglaterra, França, Holanda, Suíça ou Bélgica. De facto, as 1932 estereoscopias da autoria de Artur Benarus na colecção são caracterizadas por uma inscrição manual no espaço inter-imagem, em que predomina a identificação de lugares. Assim, estas imagens constituem um extenso álbum de viagens, repleto de cenas da vida urbana e rural portuguesa e europeia e de momentos de lazer, bem como de monumentos, produções artísticas e paisagens. Para além desta experiência de evasão que as vistas estereoscópicas de Benarus proporcionam, é ainda importante destacar as suas reportagens contrastantes de duas cidades em importantes datas históricas: o retrato de uma Lisboa tranquila e imperturbável, a 5 de Outubro de 1910, e o de uma Londres festiva e em grande reboliço, por altura da coroação de Jorge V em 1911. Desta colecção faz ainda parte um subconjunto de 80 imagens no mesmo formato, com características de colecção comercial de origem francesa e com um sistema de inscrições muito diferente da maioria atribuída a Benarus, possivelmente adquiridas pelo autor e que foram arquivadas juntamente com o fundo. Nestas imagens relativas a vistas e cenas do médio-oriente predominam temas e lugares da cultura e religião judaica, coincidentes com a origem judaica de Artur Benarus."

Artur Benarus (1861-1926) - Praia da Rocha




fotografia de Artur Benarus (1861-1926) |
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico



fotografia de Artur Benarus (1861-1926) |
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico



fotografia de Artur Benarus (1861-1926) |
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico



fotografia de Artur Benarus (1861-1926) |
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico



fotografia de Artur Benarus (1861-1926) |
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico


sexta-feira, 20 de maio de 2016



Helena Nilo | Maresias | 26.09.2014

António José Forte - POEMA



Alguma coisa onde tu parada
fosses depois das lágrimas uma ilha
e eu chegasse para dizer-te adeus
de repente na curva de uma estrela

alguma coisa onde a tua mão
escrevesse cartas para chover
e eu partisse a fumar
e o fumo fosse para se ler

alguma coisa onde tu ao norte
beijasses nos olhos os navios
e eu rasgasse o teu retrato
para vê-lo passar na direcção dos rios

alguma coisa onde tu corresses
numa rua com portas para o mar
e eu morresse
para ouvir-te sonhar

António José Forte, Uma Faca nos Dentes, Parceria A.M. Pereira/Livraria Editora, Lda., Lisboa, 2003.

Algarve - Fotografia



Francisco Oliveira | Vista da Praia da Rocha | 1950

Investigação sobre fotógrafos de Portimão recupera a memória de um Algarve já distante.

Aqui: 

Portimão - Quinta da Malata



Francisco Oliveira

https://www.facebook.com/oliveirafotografoportimao/

domingo, 15 de maio de 2016

Fernando Pessoa - ÁGUA CORRENTE

Água corrente,
Frescura a fugir —
A uma alma doente,
Tornas inconsciente,
Fazê-la sorrir.

Eu te vejo e ouço
Cantando correr,
E um momento posso
Esquecer o esforço
E o esforço de o ter.

E em minha alma vaga
Frescura também
Me envolve, me alaga,
E, se me embriaga,
É num fresco bem.

Por isso, no olvido
Excepto da água estou
E de um só sentido,
Da vista e do ouvido
Que me furta a quem sou.

Murmúrio da fonte,
Canto da água vão —
Coração insonte
Não tem horizonte...
Dorme, coração!

8 - 7 - 1920
 In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005 

terça-feira, 10 de maio de 2016

Rol de Lavadeira




'Rol de lavadeira'
tabela de madeira recortada e entalhada, proveniente de um convento de Lisboa, século XVIII





[Coimbra, mujeres lavando ropa en el río Mondego, entre 1880 y 1890? ]

Daqui: http://bdh.bne.es/bnesearch/detalle/bdh0000063315

 







Henrique Pousão - Casario à beira-mar



Henrique Pousão, Casario à beira-mar, Nápoles, 1882

Via: Luis Manuel Gaspar - Aqui

Bernardo Santareno - Nos Mares do Fim do Mundo



fotografia de Bernardo Santareno


"Foi reeditado "Nos Mares do Fim do Mundo", de Bernardo Santareno (1959), livro sobre o período em que o escritor acompanhou os pescadores bacalhoeiros portugueses pela Terra Nova e Gronelândia."
[...]
"a bordo dos navios David Melgueiro, Senhora do Mar e Gil Eannes,"
[...]
"O volume também traz fotos – registos de despedidas, de embarcações, de rostos, da figura do próprio autor, sempre com óculos de massa, uma das suas imagens de marca. E dois inéditos. O primeiro é um texto sobre o peso da responsabilidade de ter deixado o território protegido dos laboratórios e das clínicas para tratar aqueles que tanto respeitava e o segundo é sobre uma insubordinação em defesa de um direito ocorrido num arrastão. O prenúncio de um posicionamento político que Bernardo Santareno iria aprofundar nos anos seguintes, antes e depois do 25 de Abril de 1974."


Daqui: http://observador.pt/2016/05/08/bernardo-santareno-coracao-nas-trevas/






Helena Nilo | 22.03.2016



Helena Nilo | 22.03.2016



José Manuel Nilo - As velhas Raposas




["chora"]


 [...]
«Esfomeado, nem sequer me lembro de responder à ironia do capitão. Com a concha de alumínio picada pelo tempo encho a malga de esmalte. De início, o aspecto das partes gelatinosas repugna-me um pouco, mas em breve devoro com verdadeiro prazer. Na minha idade, com a boa constituição física e nas circunstâncias do momento, tudo que seja fresco e consistente me sabe bem. Lembro-me da profecia do capitão - hesito em repetir. Mas a necessidade de encher o estômago e o delicioso sabor da "chora"* impélem-me a atascar de novo a malga. E exclamo entre duas colheradas:
- Isto é formidável! Tinham-me dito que era bom... mas não julgava que fosse assim tanto...
O capitão casquinha uma gargalhada:
- Paro o ano estará de volta! Mas deve fazer mais por isso...
Fito o velho, e sùbitamente - num brusco enfraquecimento das minhas íntimas intenções -, perdôo-lhe todas as anteriores ofensas.» [...]

José Manuel Nilo,  As Velhas Raposas (finalizado em 1974 - não editado)



*«A "chora" teve origem a bordo dos veleiros da frota bacalhoeira, mais não sendo do que uma sopa que era servida aos pescadores após a dureza do trabalho heróico de pescar, escalar e salgar o bacalhau apanhado diariamente. Dada a compreensível escassez de vegetais e outros alimentos frescos, a Chora era feita quase sempre apenas com arroz ou massa e caras de bacalhau. Também se fazia com os ossos do bacalhau.»

CAMILO PESSANHA - VÉNUS


Aquae | Helena Nilo

I


À flor da vaga, o seu cabelo verde,
Que o torvelinho enreda e desenreda…
O cheiro a carne que nos embebeda!
Em que desvios a razão se perde!

Pútrido o ventre, azul e aglutinoso,
Que a onda, crassa, n'um balanço alaga,
E reflui (um olfato que se embriaga)

Como em um sorvo, murmura de gozo.
O seu esboço, na marinha turva…
De pé, flutua, levemente curva,
Ficam-lhe os pés atrás, como voando…

E as ondas lutam como feras mugem,
A lia em que a desfazem disputando,
E arrastando-a na areia, co'a salsugem.

       

II


Singra o navio. Sob a água clara
Vê-se o fundo do mar, de areia fina …
— Impecável figura peregrina,
A distância sem fim que nos separa!

Seixinhos da mais alva porcelana,
Conchinhas tenuemente cor-de-rosa,
Na fria transparência luminosa
Repousam, fundos, sob a água plana.

E a vista sonda, reconstrui, compara.
Tantos naufrágios, perdições, destroços!
— Ó fúlgida visão, linda mentira!

Róseas unhinhas que a maré partira…
Dentinhos que o vaivém desengastara.
Conchas, pedrinhas, pedacinhos de ossos.

Franco de Vasconcelos - Espinho à espera da rede