quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Afonso Lopes Vieira - Lenda da Vela * Luis Manuel Gaspar - Lenda da Vela



luis manuel gaspar, 'lenda da vela',
'prelo', 3.º série, n.º 1, lisboa, incm, jan.-abr 2006







 

 AFONSO LOPES VIEIRA

LENDA DA VELA

Sobre o relevo da água
passando ao largo,
— casca de noz boiando no infinito —
vai uma vela…

Maria, com os olhos nela,
com o coração aflito,
vendo-a que sobe no irritado dorso
da vaga que arfa e que, crescendo, quási que a [afunda
e sobre que ergue novo e erguido esforço,
— Maria, com os olhos nela,
a Deus pede bom porto para a vela.

Este vento que sopra enfuna o xale
que está seus ombros cingindo,
e faz com ele o alado gesto igual
ao da vela que aos olhos vai fugindo…

Ísis, subindo o Nilo na jangada
que a remos leva na tenaz corrente,
já de remar se senta tão cansada
que mal avança já, cansadamente;

e a vontade da água é tão paciente,
tão tranquila, tão forte, que, assustada,
a pobre deusa desfalece e sente
que lhe desmaia a pálida remada.

Então, seu manto erguendo para a margem,
eis brada por socorro! — Entanto, a aragem
que o manto colhe em vivos arripios,

incha-o, redondo. . . — E rio acima, agora,
vai a nau que primeiro ao vento arvora
a Vela, mãe da glória dos navios!...



Afonso Lopes Vieira, «Lenda da vela», O Pão e as Rosas, 1908 

Sem comentários:

Enviar um comentário