sexta-feira, 30 de junho de 2017

NABIA


NABIA

«Para Blanca María Prósper (2002: 194), Nabia significa “o vale”. Diríamos que nos parece mais adequado fazer de Nabia “a (senhora) do vale” ou “a que mora no vale”. Ora, pensando que o renascer da Primavera era fenómeno que não podia deixar de surpreender e de ser objecto de uma explicação mítica, e, por outro lado, que é nos vales que o renascimento primeiro ocorre, não corresponderá Nabia à Perséfone grega, a “menina do trigo”? Sob uma forma ou outra, e com diferentes nomes, semelhante deusa encontra-se em muitas religiões indo-europeias: é a Prosérpina romana, talvez a Nantosvelta da Gália.

Nantosvelta significará “o vale que o sol aquece” ou “a que faz florir o vale” (OLMSTED, 1994: 42). Se aceitarmos esta etimologia, teremos nesta deusa correspondência com Nabia. Mas, porque as correspondências raramente serão exactas, a deusa Nabia não parece ter par masculino, enquanto Nantosvelta, na Gália, acompanha Sucellus. Este deus, que se representa com um martelo na mão e acompanhado por um cão, seria um deus da região subterrânea (OLMSTED, 1994: 42 e 300-302). Não podemos deixar de pensar no Tongus Nabiacus da Fonte do Ídolo (Braga), tanto mais que, aqui, o que parece ser um busto do deus se apresenta, como vimos, numa edícula em cujo frontão se representam um martelo e uma pomba.

Os símbolos, porém, são polissémicos. Não podemos, sem reservas, sustentar que o martelo, que acompanha Plutão e Vulcano, identifica Tongus com uma divindade subterrânea. Mais parece, como vimos atrás, que Tongus será um deus (ou génio) das fontes.

Quanto ao epíteto Nabiacus, tanto podemos considerá-lo derivado do nome comum nabia, “o vale” (e neste caso Tongus Nabiacus seria o “Tongus do vale”), como ver no epíteto uma alusão à deusa Nabia (caso em que Tongus Nabiacus seria “o Tongus de Nabia”, com o sentido de “acompanhante de Nabia”)» 

IN: JORGE DE ALARCÃO, "A religião de lusitanos e calaicos", Conimbriga, 48 (2009) 81-121 AQUI

quinta-feira, 29 de junho de 2017

ARA a NABIA



Encontra-se actualmente no Museu Nacional de Arqueologia

«Ara trabalhada nas quatro faces, com moldura sob a cornija, plinto liso que apresenta no topo um fóculo circular central escavado. O texto foi paginado com um alinhamento tendencial à esquerda. Monumento erigido em cumprimento de um voto feito a NABIA. No formulário do texto o destaque é dado ao nome do dedicante, de provável origem servil, identificada pela antroponímia e filiação. CICERO / MANCI (filius) / NABIAE / L(ibens) . V(otum) . S(olvit) // Tradução: "Cicero, filho de Manço, a Nabia de bom grado o voto cumpriu."
Esta ara encontrava-se numa parede de um prédio do lugar de Roqueiro, freguesia de Pedrogão Pequeno»
DAQUI


Fig. 87ª (Ara do Museu Ethnologico)

«I. N-0 Arch. Port., VI, 105 e 134, falla-se de uma inscripção, consagrada á deusa Nabia, apparecida em Pedrógão Pequeno, concelho da S ertã. Ella tinha já sido publicada no Corp. Inscr. Lat., II, 5623, e tornou-o a ser por mim nas Religiões da Lusitânia, II, 277(*). Imaginava eu perdida a lapide respectiva, mas felizmente não o está. Tendo ido a Pedrógão o Sr. José de Almeida Carvalhaes, Preparador do Museu Ethnologico, o Sr. Dr. F. Alves Pereira, Official do mesmo, incumbiu-o de ahi a procurar, o que elle fez com tanto desvelo, que não só lhe descobriu o paradoiro, mas a adquiriu para o Museu Ethnologico, onde hoje occupa lugar entre outras lapides consagradas a divindades lusitanicas. Como ainda não havia desenho da pedra, aqui a represento na fig. 87ª, da qual se vê que as lições publicadas até agora estão correctas.
A inscripção lê-so em uma arazinha do granito de 0,70X0,28X0\20; a altura das letras oscilla entre 0,06 e 0,07. As duas primeiras abreviaturas da linha 4.ª acham-se separadas por pontos. A parte superior do monumento, ou cornija, está um tanto quebrada; foi restaurada no Museu com gesso, e pintada da côr do granito.»

(*) «No logar do Roqueiro, freguesia de Pedrógão-Pequeno, concelho da Certã, appareceu uma deste teor: Cicero Mamci Nabiae l(ibens) v(oyum) s(olivit). Segundo vejo no Mappa Geologico, ao pé do Roqueiro passa um rio, cujo nome porém ahi não indica.»
 

VASCONCELOS, José Leite de, Religiões da Lvsitânia, Vol. III,  Lisboa: Imprensa Nacional, 1913, pág. 202-203
Texto Também Aqui

Forte de São João Baptista das Berlengas




Berlengas, Agosto de 1934 (colecção fotográfica Holstein Beck)
Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico



Berlengas, Agosto de 1934 (colecção fotográfica Holstein Beck)
Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Lavadeiras



Paulo Guedes, Lavadeiras no chafariz da Fonte do Cabo, Ericeira, 191-,
Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico

Berlengas



Berlengas, Setembro de 1946 (colecção fotográfica Holstein Beck)
Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico