quarta-feira, 21 de setembro de 2016




Helena Nilo, Arrábida, 15.09.2016

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Meendinho - Sedia-m’eu na ermida de Sam Simiom

Achava-me eu na ermida de São Simão
E cercarom-me as ondas, que grandes são:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

Estando na ermida ante o altar,
Cercarom-me as ondas grandes do mar:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

E cercarom-me as ondas, que grandes são,
Não hei barqueiro nem remador:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

E cercarom-me as ondas do alto mar,
Não hei barqueiro, nem sei remar:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

Não hei barqueiro nem remador
Morrerei eu formosa no mar maior:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?

Não hei barqueiro, nem sei remar,
Morrerei eu formosa no alto mar:
Eu aguardando o meu amigo,
Eu aguardando o meu amigo! E virá?



O texto original, escrito há quase 800 anos

Sedia-m’eu  na ermida de Sam Simiom
e cercarom-mi as ondas, que grandes som:
eu atendend’o  meu amigo
eu atendend’o meu amigo. E verrá?

Estando na ermida ant’o altar,

cercarom-mi as ondas grandes do mar:
eu atendend’o meu amigo.
eu atendend’o meu amigo. E verrá?

E cercarom-mi as ondas, que grandes som,

nom heii barqueiro, nem remador:
eu atendend’o meu amigo.
eu atendend’o meu amigo. E verrá?

E cercarom-mi as ondas do alto mar,

nom heii barqueiro, nem sei remar:
eu atendend’o meu amigo.
eu atendend’o meu amigo. E verrá?

Nom heii barqueiro, nem remador,

morrerei eu fremosa no mar maior (mar bravo):
eu atendend’o meu amigo.
eu atendend’o meu amigo. E verrá?

Nom heii barqueiro, nem sei remar,

morrerei eu fremosa no alto mar:
eu atendend’o meu amigo.
eu atendend’o meu amigo. E verrá?
O poema está recolhido no códice da Biblioteca Nacional de Lisboa e no códice da Biblioteca Vaticana, de lírica medieval.

Daqui



Helena Nilo, Praia da Adraga, 11.02.2016

Álvaro Laborinho - Nazaré


Álvaro Laborinho, Mar bravo, onda gigante (Nazaré), 1931
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico




Álvaro Laborinho, Forno d'Orca (lPraia Norte, Nazaré) e Augusto, 1930
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico




Álvaro Laborinho, José Maria Isaac pescando as enguias (foz do Alcôa), 1907
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico




Álvaro Laborinho, Mar chegando ao paredão, frente aos chalets (Nazaré)
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

O Mar na pintura portuguesa



Alfredo Keil, Azenhas do Mar


Alfredo Keil, Caminho para a Praia da Adraga


Alfredo Roque Gameiro, Onda
 

Adriano de Sousa Lopes, Manhã na praia da Caparica


Adriano de Sousa Lopes, Luz nas águas

João Cristino da Silva

Termas de São Pedro do Sul - à beira-rio


fotografia de José Daniel Ferreira (2009)
DAQUI

Água de Lisboa



Revista Universal [Lisbonense], N6, Fevereiro de 1842, pp. 4-6








ARTIGO AQUI

Banhos a Vapor - 1841-1842




Revista Universal [Lisbonense], N3, Outubro de 1841, pp. 2-4


ARTIGO AQUI
e aqui
e aqui

Obrigada,  Daniel