domingo, 15 de maio de 2016

Fernando Pessoa - ÁGUA CORRENTE

Água corrente,
Frescura a fugir —
A uma alma doente,
Tornas inconsciente,
Fazê-la sorrir.

Eu te vejo e ouço
Cantando correr,
E um momento posso
Esquecer o esforço
E o esforço de o ter.

E em minha alma vaga
Frescura também
Me envolve, me alaga,
E, se me embriaga,
É num fresco bem.

Por isso, no olvido
Excepto da água estou
E de um só sentido,
Da vista e do ouvido
Que me furta a quem sou.

Murmúrio da fonte,
Canto da água vão —
Coração insonte
Não tem horizonte...
Dorme, coração!

8 - 7 - 1920
 In Poesia 1918-1930 , Assírio & Alvim, ed. Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas, Madalena Dine, 2005 

Sem comentários:

Enviar um comentário