sexta-feira, 27 de março de 2015

AFONSO LOPES VIEIRA - ESPUMA


Mais leve que a pluma
que no ar balança,
pela praia dança
a ligeira espuma.
Dançando se afaga
no alado bailar!
Pétalas da vaga,
poeira do mar…


Espuma de neve,
ergue-a num momento
a curiosa e leve,
vaga mão do vento.
Mas o vento, achando
que da mão lhe escorre,
com ela brincando
pela praia corre…

Eis se ergue e dissolve,
coisa láctea e pura,
onde o luar se envolve
na fervente alvura.
Espuma levada
das águas ao rés,
renda evaporada,
jóia das marés!

Grácil mimo e flor
de femínea graça.
que efémera passa
no eterno esplendor.
Em meus dedos, ágil,
um momento tive-a,
e na morte nívea
se me evola frágil.

Mais leve que a pluma
que no ar ondeia,
pela fina areia
baila, aérea, a espuma.
 E na dança etérea,
que impalpável ronda!
Bafo da matéria,
penugem da onda…

'Os Versos de Afonso Lopes Vieira', Lisboa, Sociedade Editora Portugal-Brasil, 1927  

segunda-feira, 23 de março de 2015

Luís Miguel Nava - FALÉSIAS

Poder-me-ão encontrar, trago um rapaz na minha
memória, a casa a uma janela
da qual ele vem como um sabor à boca,
falésias onde o aguardo à hora do crepúsculo.

Regresso assim ao mar de que não posso
falar sem recorrer ao fogo e as tempestades
ao longe multiplicam-nos os passos.
Onde eu não sonhe a solidão fá-lo por mim.

quinta-feira, 12 de março de 2015

Luís Miguel Nava - Sem outro Intuito


Atirávamos pedras
à água para o silêncio vir à tona.
O mundo, que os sentidos tonificam,
surgia-nos então todo enterrado
na nossa própria carne, envolto
por vezes em ferozes transparências
que as pedras acirravam
sem outro intuito além do de extraírem
às águas o silêncio que as unia.

Luís Miguel Nava, in 'Vulcão'

Fernando Martinez Pozal - Marco fontanário


Fernando Martinez Pozal - marco fontanário
fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico

Fernando Martinez Pozal

quarta-feira, 11 de março de 2015

PERO MEOGO - Levou-s’a louçana, levou-s’a velida:

Levou-s’a louçana, levou-s’a velida:
vai lavar cabelos, na fontana fria.
Leda dos amores, dos amores leda.

Levou-s’a velida, Levou-s’a louçana:
vai lavar cabelos, na fria fontana.
Leda dos amores, dos amores leda.


Vai lavar cabelos, na fontana fria:
passou seu amigo, que lhi bem queria.
Leda dos amores, dos amores leda.

Vai lavar cabelos, na fria fontana:
passa seu amigo, que a muit’amava.
Leda dos amores, dos amores leda.

Passa seu amigo, que lhi bem queria:
o cervo do monte a augua volvia.
Leda dos amores, dos amores leda.

Passa seu amigo, que a muit’amava:
o cervo do monte volvia a augua.
Leda dos amores, dos amores leda.

terça-feira, 10 de março de 2015

Alberto Carlos Lima - Paisagens Marítimas, 191-




Alberto Carlos Lima | fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico


Alberto Carlos Lima | fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | fotográfico

ANTERO DE QUENTAL - OCEANO NOX


A A. de Azevedo Castelo Branco
Junto do mar, que erguia gravemente
A trágica voz rouca, enquanto o vento
Passava como o vôo do pensamento
Que busca e hesita, inquieto e intermitente,

Junto do mar sentei-me tristemente,
Olhando o céu pesado e nevoento,
E interroguei, cismando, esse lamento
Que saía das coisas, vagamente...

Que inquieto desejo vos tortura,
Seres elementares, força obscura?
Em volta de que idéia gravitais?

Mas na imensa extensão, onde se esconde
O Inconsciente imortal, só me responde
Um bramido, um queixume, e nada mais...

in: Antero de Quental, Sonetos, Livraria Sá da Costa Editora, 1979


Artur Pastor - Âncoras



fotografia de Artur Pastor | Arquivo Municipal de Lisboa|
Núcleo Fotográfico

CAMILO PESSANHA - CANÇÃO DA PARTIDA


Ao meu coração um peso de ferro
Eu hei-de prender na volta do mar.
Ao meu coração um peso de ferro...
    Lançá-lo ao mar

Quem vai embarcar, que vai degredado,
As penas do amor não queira levar...
Marujos, erguei o cofre pesado,
    Lançai-o ao mar.

E hei de mercar um fecho de prata.
O meu coração é o cofre selado.
A sete chaves: tem dentro uma carta...
— A última, de antes do teu noivado.

A sete chaves — a carta encantada!
E um lenço bordado... Esse hei-de o levar,
Que é para molhar na água salgada
No dia em que enfim deixar de chorar.

in: Camilo Pessanha, Clepsidra, Lisboa, Ática, 1992

sexta-feira, 6 de março de 2015

Helena Nilo - Aquae



helena nilo | aquae 2013\2014

para o Luis Manuel Gaspar
Obrigada!

Sebastião da Gama - Raiz

Tanto dissemos tu e eu, tanta palavra!...
E os enganos, as lutas, aspromessas...
Como tudo vai longe! Como tudo foi útil e preciso!
Olha, vem à janela... Lá em baixo no largo,
brincam, junto da fonte, os moços e as meninas.
Alegres todos, riem. Nem reparam
como é triste uma fonte que não corre.
O que hão-de eles saber ?! Têm cinco, seis anos...

                                            Da janela
vemo-los bem. Vem à janela olhá-los,
felizes como nós...

Arrábida, Novembro de 51

in: Sebastião da Gama, Pelo Sonho É Que Vamos, Edições Arrábida

quinta-feira, 5 de março de 2015

Raul Brandão - MULHERES


«Outra vez rebuliço — agora é na fonte. Balbúrdia. Algumas são desbocadas, e aquela no auge da fúria curva‑se e bate palmadasem certo sítio, sobre as saias — quando não faz pior e o mostra… Então o barulho ensurdece. — Bateste no meu filho, grande porca! — Arrolada! — diz a outra. Arrolada é a pior de todas as injúrias… Dois cântaros partidos nas cabeças. A água inunda‑as e refresca‑as. E tudo volta ao silêncio. Só se ouve cantar nos tanques e o bater compassado da onda no cais. Aí tornam a passar as raparigas, com o cântaro à cabeça, a mão na cinta, e um fio húmido a escorrer‑lhes pela cara, apesar da cortiça que usam à superfície da água, para não se espalhar o líquido…»

in: Raul Brandão, Os Pescadores, ed. Vítor Viçoso e Luis Manuel Gaspar, Lisboa, Relógio D'Água, 2014

quarta-feira, 4 de março de 2015

ANTÓNIO OSÓRIO - O HIDRÓMETRA

Quando media
o débito da água
antes
no furo artesiano
lavava o rosto
e bebia.


De sua Mãe
se lembrava, devolvendo-o
(chuva) ao mundo.