quinta-feira, 30 de outubro de 2014



«Quem não poupa água nem lenha não poupa nada que se tenha» 

Adágio Popular

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Paulo Guedes - Chafariz das Cinco Bicas



Paulo Guedes, Chafariz das Cinco Bicas, Caldas da Rainha
Fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | Núcleo Fotográfico

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Alice Vieira - Os Armários da Noite






obrigada, Daniel! : )

Alice Vieira - Os Armários da Noite






obrigada, Daniel! : )

barco de pesca


fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | Núcleo Fotográfico

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

José Escada, 'O Búzio', 1976
FCG/CAMJAP
AQUI

quinta-feira, 9 de outubro de 2014



Helena Nilo | Praia do Vau | Setembro 2014

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Rocha Peixoto



fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico



Luís Miguel Nava - Rios


Aqui, onde o vemos
correr, o rio mais não é que uma cortina, por trás
da qual corre outro rio. O
que no primeiro se reflecte
no outro transfigura-se.

Desprende-se o primeiro
do plano a que os sentidos o
mantêm agarrado, para assim
melhor entrar na alma, de cuja
incerta superfície faz as margens.
Disto isto doutra forma: assenta-nos
as margens na aspereza
da alma, a cujas reetrâncias
(já dizia o Pessoa) o sol não chega.

Mas nem ele é preciso. Uma só vela
nas trevas basta
para que o rio se ilumine
desde a foz à nascente.

É esse rio, idêntico a uma porta
que existe só por dentro e que por fora
foi já toda comida pelas trevas, que
nos serve de metáfora do tempo
(só o outro é literal)
e, tal como nas trevas - onde as ervas
e as flores são invisíveis -
o aroma verdeja, assim

o tempo, escoando-se, adquire
a cor da erva: e ontem, hoje
e amanhã mais não são do que tantos outros tons de
verde
que bovinamente a alma saboreia.

AQUI

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Rocha Peixoto



fotografia do Arquivo Municipal de Lisboa | Fotográfico
PT/AMLSB/PEX/000153




segunda-feira, 6 de outubro de 2014

António Lopes Ribeiro - Lisboa de Hoje e de Amanhã, 1948




Lisboa de Hoje e de Amanhã é um documentário português realizado, escrito e narrado por António Lopes Ribeiro, produzido pela Câmara Municipal de Lisboa, no ano de 1948. Consiste numa série de pequenas filmagens de algumas zonas da cidade, com a explicação das mesmas por Lopes Ribeiro e, música de fundo.

Este documentário é uma análise da cidade de Lisboa, feita por António Lopes Ribeiro, de quatro perspectivas: habitação, circulação, trabalho e, espaços de lazer. São divididas por quatro partes, cada uma com 10 minutos de duração. Num Portugal indirectamente devastado pela Segunda Guerra Mundial, este filme apresenta aquilo que já pudera ser feito e, tudo o que estava planeado fazer para tornar Lisboa numa cidade pioneira ao nível dos quatro pilares referidos.
AQUI





António Lopes Ribeiro - AQUI
António Lopes Ribeiro