quinta-feira, 31 de maio de 2012

diabruras, santidades e prophecias...




"As fadas são encantos, de corpo gentil, rosto formoso, olhar meigo e cabellos côr de oiro. Representam o génio do bem.

No mesmo caso poderemos considerar as moiras encantadas, que pertencem á mythologia peninsular. São também lindezas, que aparecem geralmente nas fontes, e com a sua formosura seduzem os mortaes.

As feiticeiras, de extrama belleza mas com mau instincto, teem olhar vertiginoso, modos frios e retrahidos. Associadas com espiritos infernaes, usam de muitas artimanhas para illudirem as pessoas ignorantes e fracas, incutindo-lhes pensamentos satanicos.
As bruxas e mulheres de virtude são quasi sempre velhas immundas, de aspecto repelente. Resmungam em rouquenho orações cabalisticas estropiando algum latinorio; mas para fazerem sortilegios teem de pedir a intervenção do diabo."

‎"A razão de ser o burro no nosso paiz o escolhido para estas transformações infernaes, não se acha demonstrada philosophicamente. Dizem que o pobre animal em pequeno enganara o diabo; mostrando uma agilidade e esperteza que mais tarde perdeu; e que, talvez, d'ahi proviesse a sua condemnação ao despreso.
O burro é quadrupede ignorante mas tão paciente, que só tem um rival - o camello, com inquestionaveis direitos á estima e consideração dos homens, das mulheres e das creanças que lhe são affeiçoadas: basta contar os relevantes serviços que presta e tem prestado. O ditado popular considera-o garantia para maus cavalleiros, dizendo: antes burro que me leve que cavallo que me derrube."


‎"Os lobishomens e asininohomens são inoffensivos; andam apenas comprindo a triste sina, procurando sempre os sitios ermos e pouco alumiados. Quando andam fóra do encanto, distinguem-se dos outros homens em terem as orelhas mais cumpridas, as ventas arrebitadas e escuras, o olhar de soslaio e o halito ferido. São muito desconfiados, tem a voz debil, difficil e guttural, as phalanges dos dedos das mãos, na face dorsal, callejadas, cabellos vastos e emaranhados, de côr ruiva com laivos escuros, que muitos confundem com os restos da agua circassiana, e da cova do ladrão cahe uma pequena guedelha em caracol.
Lobishomem, esta etymologia só é bem cabida quando o homem se transforma em lobo, o que tem sido pouco vulgar no nosso paiz, que, talvez, por ser quente, o homem se metamorphoseia as mais das vezes em burro, e n'este caso deve dizer-se asininohomem."


[ obrigada, Daniel  :) ]

2 comentários:

  1. Já pus lá outro... sobre lobisomens LOL

    ResponderEliminar
  2. :D

    actualizado!
    agora, só falta o livrinho passar-me pelas mãos :)

    ResponderEliminar