quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Bairro Grandella




fotografias - AQUI

Localização
Junto à Estrada de Benfica, abrangendo as Ruas de Sta. Matilde, do Dr. Gregório, R. Fernandes e a Av. dos Empregados dos Armazéns do Grandella.
Freguesia / Concelho / Distrito
S. Domingos de Benfica / Lisboa / Lisboa
Função
Habitação operária
Época
Século XX, construído entre 1905-1907
Caracterização
O bairro operário foi construído por Francisco de Almeida Grandella, tendo como objectivo a criação de habitação para os operários da sua fábrica de malhas e tecidos (c. de 1889), localizada em S. Domingos de Benfica.

A edificação deste apoio social integra-se na filosofia filantrópica defendida e praticada por Grandella. O bairro construiu-se em terrenos anexos à fábrica, desenvolvendo a fachada principal para a Estrada de Benfica. Assim, o modelo apresentado por estas habitações integra-se na tipologia das vilas ou bairros operários, destacando-se a organização em ruas internas, delimitação por gradeamento do espaço habitacional, implantação em banda com módulos habitacionais repetidos, formando uma uniformidade e um ritmo próprio.
O conjunto é composto por setenta habitações, pagas de acordo como o salário auferido na unidade industrial. No entanto, o bairro impõe-se à via pública através de duas construções neo-clássicas onde foram instaladas a escola e creche para os filhos dos operários, desenvolvendo-se para o interior o espaço habitacional. Na sequência do bairro para os operários construíram-se também duas bandas para os empregados dos armazéns Grandella, subsistindo actualmente uma, revelando um maior cuidado estético.

AQUI

*******

 VILAS DE ESCALA URBANA


No  tipo  mais  corrente  de  vila,  esta  organiza-se  em  função  de  um  espaço comum,  de  carácter  privado,  fora  das  vistas  da  rua,  raramente  atingindo  um elevado volume de construção. Mas com o desenvolvimento desta modalidade de alojamento  foi-se diversificando  a respectiva tipologia — cada vez mais  afastada do primitivo  pátio —,  ao mesmo  tempo que  o  sucesso  de anteriores  realizações ia  estimulando  investimentos  mais  volumosos.
É no quadro desta evolução que surgem vilas que, pelo volume da  edificação ou  pela  complexidade  da  sua  estrutura,  atingem  uma  escala  que  as  impõe  ao nível do espaço da cidade, constituindo neste último caso um sistema viário que, sem  perder  o  carácter  segregador,  ganha  uma  dimensão  urbana.  É  assim  que surgem  verdadeiras  unidades  de habitação  horizontal,  como  o  Bairro  Estrela  de Ouro,  ou  conjuntos  massivos  de blocos  em  altura,  como  o  Bairro  Clemente Vicente.
 
A dimensão destas realizações e o seu cuidadoso planeamento, em articulação com  o carácter  de autonomia  que  sempre  guardam,  conduzem  frequentemente  à inclusão  de elementos  de  equipamento  colectivo  nestes  conjuntos.  Trata-se  geralmente de estabelecimentos  comerciais  de primeira necessidade, mas aparecem também  escolas, espaços  de  convívio  e,  na  Vila  Cândida,  até  uma  esquadra  da PSP.

As  entidades  construtoras  eram,  em  muitos  casos,  empresas  industriais  e, noutros,  simples  promotores  imobiliários  que  permaneceram  como  senhorios.Mas a individualização  desses promotores, em qualquer dos casos, é um elemento característico deste  tipo de alojamento.  Essa individualização  traduz-se  geralmente  na própria designação  da  vila, por  vezes representada  alegoricamente  em placas ou painéis  de azulejo. Esta espécie  de culto está, provavelmente,  ligada à faceta  filantrópica  que  por  vezes  caracterizava  estes  empreendimentos:  os  promotores  eram  capitalistas que  investiam  em  prol  do  bem-estar  dos  seus  empregados.  E,  em  alguns  casos,  este sentido  paternalista  e  tão  forte  que  levava  os proprietários  a construírem  no mesmo terreno, embora com  a necessária  separação,  a  sua  própria  residência.

Têm estas características o Bairro Grandella, o Bairro Estrela de Ouro, a Vila Cândida e O Bairro Clemente Vicente, como exemplares mais interessantes  desta tipologia.

O  Bairro Grandella,  em Benfica,  foi  edificado junto  de uma fábrica  têxtil  da empresa e denota uma concepção estrutural de arruamentos paralelos com vários tipos  de habitação, destinados  a diferentes  escalões  do pessoal. Com  frente  para a estrada de Benfica,  o bairro é rematado por dois pavilhões, lembrando  templos gregos, com colunas e frontões  de coroamento, destinados a uso comum. A grade circundante  foi  retirada há alguns  anos. Francisco  de Almeida  Grandella  era um empresário  progressista,  que  construiu  outras obras  de  finalidades  sociais.

O Bairro Estrela de Ouro, na Graça, foi construído em  1908 pelo industrial de confeitaria Agapito Serra Fernandes e integra vários arruamentos a que deu o nome de pessoas da sua família. Formado por pequenas unidades habitacionais em forma de  U,  a  estrela  de  cinco  pontas  aparece  como  elemento  decorativo  sistemático.

A Vila Cândida, à Avenida General Roçadas, constitui como que uma aldeia, com  traçado  geométrico  e  um  amplo  largo  de  entrada,  onde  se  situavam  os edifícios  sociais. Construída  pelo banqueiro  Cândido  Sotto Mayor,  é o  exemplo típico  de  uma  atitude  filantrópica  e  paternalista.  Após  o  25  de  Abril,  as  casas vieram  a  ficar  na  posse  dos  moradores,  pelo  que  tem  vindo  a  destruir-se  a unidade  de  todo  o  conjunto.

O  Bairro  Clemente  Vicente, no Dafundo,  é constituído  por  três  blocos  compactos  de cinco pisos, totalizando  240 fogos.  Foi  construído por  um  empresário empreendedor  nos  anos  20  e  procurou  dar,  provavelmente,  uma  imagem  do falanstério.  Os acessos fazem-se  por uma complicada estrutura metálica de escadas  e  varandas.


*********


Historial

Este bairro operário tem uma frente superior a 80m, virada para a Estrada de Benfica, com duas fachadas em forma de pórticos neoclássicos, que rematam dois quarteirões com cerca de 90m de profundidade. As ruas exteriores destinavam-se às famílias dos empregados dos escalões mais baixos, enquanto que o acesso aos fogos dos empregados dos escalões mais elevados era feito a partir da rua central.

Esta configuração urbana assenta em memórias materiais e espirituais integradas no ideário de socialismo utópico, pela preocupação evidente com o bem-estar dos empregados. Incorpora também expressões de cariz maçónico, como bem expressam as fachadas, quer por símbolos, quer nomeadamente pelo lema -- Sempre por Bom Caminho e Segue" --. Também por isso, o conjunto, apesar de ter sofrido, ao longo do tempo, alguma descaracterização em relação ao projecto inicial, foi classificado, em 1984, como Imóvel de Interesse Público.

AQUI

*********
Ainda neste bairro:

Sem comentários:

Enviar um comentário