quinta-feira, 14 de abril de 2011

Páscoa



REFÚGIO

Sozinho a ouvir o mar, que não diz nada.
Férias do mundo e de quem lá anda.
Concha de ouriço, mas desabitada,
Aberta no lençol da areia branda.

Não se lembrem de mim esta semana!
Matem o Cristo, e ele que ressuscite!
Eu, nesta angústia humana ou desumana,
Quero apenas que o sono me visite.

Miguel Torga
Arrábida, Páscoa de 1952
In: Diário IV

A Serra da Arrábida na poesia portuguesa, selecção, prefácio, actualização de textos e notas, António Mateus Vilhena e Daniel Pires, Setúbal, Centro de Estudos Bocageanos, 2002


Sem comentários:

Enviar um comentário